fbpx

A morte “anunciada” do São João de Patos

O São João de Patos 2019 morreu 21 dias depois de parido; a gestação foi de apenas 05 meses; portanto, bem prematura.

O nascimento foi festejado, mas imediatamente o menino teve que ser incubado.

Por isso, ninguém ouviu falar mais nada do dia 15, quando foi anunciado pelos acordes de sanfona, até o dia 06 de maio, dia do óbito.

De novembro de 2018 pra cá, houve muitos complicadores que atingiram a festa, ainda na barriga.

A presença de um microorganismo comum e perigoso provocou de cara dois abortos: Safadão e Gustavo Lima.

É neste período que o corpo e o sistema imunológico sofrem muitas alterações, e nesse sentido, é de extrema importância ter cuidado redobrado.

Primeiramente, é recomendado consultar um médico assim que souber da gravidez e fazer o acompanhamento até o último mês de gestação.

Mas, afastado do pai biológico, ninguém queria assumir a paternidade. Com a expectativa de vida reduzida para 05 dias, de 19 a 23 de junho… Ele piorou.

O procedimento conhecido como pré-São João, que além de prevenir determinadas doenças e anomalias, garante recursos para suprir os gastos previsíveis e assim alimentar alguma esperança, acabou sendo feito tardiamente.

Os exames solicitados diagnosticaram a presença de uma infecção bacteriana, adquirida pela mãe há muitos anos atrás.

Não houve como salvar a criança, pois a resposta imunológica, como a produção de anticorpos específicos, que é feita no corpo da gestora para controlar essas infecções, não foi satisfatória.

O São João de Patos morreu em 06 de maio de 2019; e a sua mãe, muito mal de saúde, respira através de aparelhos e só um milagre a fará retornar do coma.

Que Deus seja louvado!.

Por: Misael Nóbrega de Sousa

Qual a sua opinião sobre assunto?

© 2015-2018 CSS Notícias | Desenvolvido por EA Soluções

%d blogueiros gostam disto: